Do you want to buy antibiotics online without prescription? http://buyantibiotics24h.com/ - This is pharmacy online for you!

N 14 parte 1 art 09

Reflexão sobre o exercício da leitura literária na sociedade atual, levando-se em consideração a questão dos gêneros textuais. Para isso, será enfocado o lugar/lugares do texto dado como literário emsua relação com outros tipos de textos, no contexto do processo deexclusão e resistência político-social.
Palavras-chave: Leitura literária; Lugar social; Gêneros textuais.
Com um grande número de produções culturais que tomam o quotidiano violento por objeto, como o livro Cidade de Deus, de Paulo Lins, ou o fil-
me Amarelo manga, de Cláudio Assis, a questão da representação volta a
ocupar a cena da arte nacional. Nessa frase, além dos termos diretamente ligadosà crise social, três palavras inserem-se mais explicitamente em polêmica acadêmi-ca e cultural: representação, arte e nacional. Muitos artigos e ensaios já foramescritos para relativizar tais conceitos. No primeiro caso, de Platão a Deleuze, atríade modelo, cópia e simulacro evidencia mais que a relatividade dos conceitos,a relatividade do real, que passa a ser visto como um construto de linguagem.
Nesse sentido, a arte, vista antes com representação do real ou como representa-ção de segundo grau, muda seu estatuto, emparelhando-se com outras produ-ções culturais que se queriam mais fidedignas e confiáveis. Paradoxalmente, per-de status justamente porque passa a ser vista como um discurso qualquer e, emum pretenso movimento de democratização, é despida das características quemarcavam sua singularidade. Paralelamente a isso, discute-se a fragilidade do con-ceito de nação em virtude da circulação do capital internacional e do conseqüen-te enfraquecimento das fronteiras geográficas e culturais.
* Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.
SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 100-106, 1º sem. 2004 O quadro é muito complexo para ser resumido em um parágrafo, mas seu esboço ilumina a prática da literatura e do aparato teórico que a envolve. A Teoriada Literatura cede espaço aos Estudos Culturais, fazendo mover o pólo acadêmi-co da França para os Estados Unidos, passando pela Inglaterra. Compagnon(1999), por exemplo, lamenta o fim dos amores literários da era Barthes enquan-to reflete sobre os demônios da teoria, as eternas questões: o que é literatura, seussujeitos e objetos, a questão da mimesis, o valor, o lugar da crítica e da história li-terárias etc. Alguns escritores e críticos sentem-se privilegiados por pertencer à úl-tima geração letrada (cf. SANT’ANNA, 2001) e lamentam a falta de conheci-mento literário das gerações contemporâneas, seu “iletrismo” ou sua “iliteratura”.
Em outro espaço, as questões de gênero e de etnia, entre outras, substitu- em os acalorados debates sobre classes sociais. Decreta-se o fim das utopias e dasvanguardas. O intelectual reconhece que não é um iluminado e que não pode le-vantar bandeiras, guiando multidões, ainda que muitos continuem avalizandopropostas daqueles que não têm voz.
O cânone ocidental é desafiado por alguns e ratificado por outros. Conti- nuam os congressos e as edições comemorativas de poetas e seus centenários.
Por outro lado, publicações dos excluídos passam a ser estudadas ao lado de obrasconsagradas, instaurando a polêmica sobre o valor como elemento cultural.
Nesse cenário, situa-se o professor de língua e literatura, que não sabe bem o que ensinar e como ensinar. Os espaços se deslocam e os tempos de misturam.
O fio de Ariadne já não é suficiente para sair do labirinto, ou, mais do que isso, jánão se sabe se é preciso sair do labirinto ou vivenciá-lo, como se propõe em umaoutra alegoria, a da dança dos gêranos.1 Como no caso do fio de Ariadne, a metá-fora de Heráclito sobre o rio em cujas águas não entramos duas vezes não dáconta de outros rumos das águas, seja na mistura dos lençóis freáticos, seja na ri-zomatização das rias. Além disso, há que se lidar com a poluição e seu potencialde impureza.
1 “Rapazes e moças alternados e com as mãos dadas em fila simulam o percurso do labi- rinto através de uma dança típica. Há um guia em cada uma das pontas da fila, o que sig-nifica que eles podem correr em qualquer um dos sentidos. Diante de uma encruzilha-da, o grupo pode percorrer simultaneamente as duas alternativas, cada guia puxando ogrupo para cada uma delas. Caso uma das alternativas não tenha saída, o guia que se de-fronta com essa alternativa dá um grito e é logo compreendido por seus companheiros:a fila passa a ser dirigida então pelo outro guia até a próxima encruzilhada.(.) A idéiade optar simultaneamente por todas as alternativas marca a diferença da dança dos gê-ranos em relação ao fio de Ariadne. A beleza e a astúcia da estrutura do labirinto estãona multiplicação das possibilidades e na vivência dos tempos e espaços simultâneos”(MACHADO, 1997, p. 151).
SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 100-106, 1º sem. 2004 A palavra é sintomática, pois volta a Barthes (1980) e seu sentido positivo do ato de contaminar, mantendo, paradoxalmente, a negatividade da ameaça àsaúde e à sobrevivência da população humana.
Talvez valha a pena determo-nos nessa ambigüidade: as águas estão conta- minadas, as diásporas desordenam ordens estabelecidas, as populações excluídasexibem-se exibindo o avesso do sistema que as exclui, os gêneros textuais lidamcom a hibridização na busca de se manterem vivos.
É tempo de crise de paradigmas e valores. As reações são ora de nostalgia, ora de revolta ou de perplexidade. Talvez a última atitude seja a menos negativa,já que da perplexidade nasce a pergunta e a busca de respostas. A essa altura, a re-lação da Teoria da Literatura com os Estudos Culturais já não se delineia, neces-sariamente, como ameaça de um sobre outro campo. Antes um acolhe a contri-buição do outro, evidenciando a força da interdisciplinaridade. Nesse sentido, aTeoria da Literatura alarga-se em uma teoria da leitura, tomando como objetotambém outros produtos culturais. Enquanto isso, os Estudos Culturais anali-sam seus objetos com ferramentas das teorias textuais. A esse respeito, vale lem-brar Régine Robin quando, discutindo a interdiscursividade, afirma: Nos nossos dias, a fragmentação do objeto literário é de tal ordem que a sua seto-rização pulverizou todos os etnocentrismos da legitimidade. Já não há uma litera-tura, quer pertencente ao círculo alargado quer ao círculo restrito; há agora obje-tos particulares que têm cada um a sua forma de se inscrever no literário, de pro-duzir o literário ou de pensar o literário. (ROBIN, 1995, p. 63) Mesmo que se possa relativizar afirmação tão peremptória, baseada numa crença bastante democrática do exercício cultural, há que se reconhecer com aautora que a prática interdiscursiva parece ser um modo de conhecimento ade-quado à sociedade atual.
Se a cultura é um hipertexto em que cada texto é um nó que pode conter redes inteiras (cf. LÉVY, 1993), não há como se manter a ancoragem das identi-dades textuais e das certezas gramaticais.
Buscando caminhos para se situar no cipoal em que se encontra, o profes- sor reconhece a diferenciação das práticas discursivas e das abordagens que a lei-tura pode fazer dos textos e aprende que deve deixar um espaço para a leitura li-terária, marcada pelo lúdico, atravessada pelo desejo, fonte de prazer e fruição.
Mas, mais do que isso, mesmo sabendo da relatividade dos conceitos e das classi-ficações, busca operadores de leitura que lhe permitam explorar a textualidade,observando as relações entre enunciado e enunciação, suportes e gêneros, figura-ções do autor e do leitor. Ciente da importância dos conhecimentos prévios edemais condições de recepção na produção de sentido, vasculha o texto, detec-tando estratégias textuais, configuradoras de vozes e valores.
SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 100-106, 1º sem. 2004 É o momento, pois, de uma intensificação do diálogo entre lingüistas e teóricos da literatura, com o objetivo de se ampliar o campo de leitura. Se o textoé nossa matéria comum, não há porque manter o fosso entre as abordagens fei-tas. Tal postura não significaria ignorar tensões e contradições, e sim encará-lascomo pontos de inquietação e produtividade.
Nesse sentido, a Teoria da Literatura, em diálogo com os Estudos Cultu- rais, pode fazer algumas perguntas à Lingüística.
O debate sobre as diferenças lingüísticas em sua relação político-social an- tecedeu aquele sobre a questão do cânone e a necessidade de incorporação dodiferente, do excluído.
A literatura seria, por excelência, o campo da pluralidade lingüística, do dialogismo, no acolhimento do diferente, como bem mostra Bakhtin (1981, 1993).
A crítica sempre aceitou a presença da oralidade, do discurso popular, no textodado como canônico, mas o que está em pauta hoje é o sujeito da enunciação.
Narrativas testemunhais de presos, moradores de ruas e outros representantesdas chamadas minorias impõem-se à sociedade e, paradoxalmente, incrementamo mercado de livros.
Como os pobres e suas casas no meio da rua incomodam a cidade, que se quer em ordem; quando quer assumir seu discurso, o excluído ameaça o sistemaliterário, “polui” a tradição, rompe a aparente linearidade do rio, evidenciandofaces que se preferiam escondidas.
Paralelamente a isso, a narrativa urbana atual procura dar conta dessa frag- mentação, apossando-se desse tipo de discurso. Mas, diferentemente, da litera-
tura realista do século XIX, que se queria fiel aos fatos, criando um efeito de real
(BARTHES, 1988), ela se confessa impotente e exibe seu caráter de escrita. Luiz
Ruffato, por exemplo, em eles eram muitos cavalos (2002), incorpora a lingua-
gem do outro na construção do gênero romance. O livro incorpora diferentes
gêneros textuais: o calendário e o santo do dia, o recado da secretária eletrônica
e o horóscopo, o discurso do pastor evangélico no meio da multidão, a lista de li-
vros da biblioteca doméstica, a ocorrência policial, o relato jornalístico, a carta
ou o texto de um diploma. Trata-se de uma mistura de gêneros na criação de um
outro gênero, nomeado como romance. Consideremos com Bhatia (2001), que
os gêneros se definem essencialmente em termos do uso da linguagem em contex-tos comunicativos convencionados, que dá origem a conjuntos específicos de pro-pósitos comunicativos para grupos sociais e disciplinares especializados, que, porsua vez, estabelecem formas estruturais relativamente estáveis e, até certo ponto,impõem restrições quanto ao emprego de recursos léxico-gramaticais. (p. 103) Se as diversas teorias de estudo do gênero realçam o aspecto de convenção que os caracteriza, vale interrogar se o texto literário poderia ser visto como um SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 100-106, 1º sem. 2004 gênero discursivo, marcado por um propósito comunicativo especial. Assim, equi-parado a outros discursos, é visto como um domínio discursivo que entra em fun-cionamento por meio de determinadas práticas sociais. Não perde, pois, suas singu-laridades e, por sua vez, esse domínio discursivo, além de se subdividir em muitosgêneros, vale-se de uma grande variedade discursiva na construção de seus textos.
A pergunta seria: Até que ponto a literatura, ao utilizar gêneros discursi- vos diversos, instaura uma transgressão e até que ponto essa transgressão se cir-cunscreve a um outro domínio discursivo, com convenções próprias e outras re-lações de poder, circunscrevendo também a recepção? Se assim for, como formaro leitor para a recepção desse gênero? Ao discutir tais relações de poder que, de resto, atravessam todos os dis- cursos, Bhatia, referindo-se a Fairclough, interroga-se sobre uma possível demo-cratização das práticas discursivas, contrapondo-a à elaboração de leis em inglêsque mantêm a “integridade dos gêneros legislativos”.
Boa parte dos discursos acadêmicos ainda não consegue reconhecer as fontes devariedades, especialmente aquelas da marginalidade e da exclusão, dando a im-pressão de que não há, ou não deveria haver, qualquer variação no modo como osgêneros são construídos, interpretados e usados. (p. 113) Nesse sentido, outras questões podem ser levantadas:A demanda pela democratização dos gêneros, que, no caso da literatura le- varia à abertura do cânone, correria o risco de repetir a proposta de não se ensinara modalidade padrão da língua, atitude vista por alguns como impositiva? Deixar de ensinar a modalidade padrão da língua ou a leitura do texto dado como literário, canonizado, seria mesmo uma forma de democratizar o ensino, e,mais do que isso, as relações sociais? E o valor da arte nas relações de mercado?E os discursos políticos talhados na língua padrão seriam lidos só pelos pares dequem escreve? A democratização não seria, então, a dos atos de produção e recepção? Não seria necessário estarmos abertos a todo tipo de produção cultural, perce-bendo-a como linguagem que se dá a ler? Ouvir o outro, mas deixá-lo tambémouvir vozes diferenciadas do sistema de que faz parte? A violência que se expande na sociedade atual não seria ela mesma uma for- ma de linguagem a se dar a ler, decorrente, pelo menos em parte, da ausência doacatamento da pluralidade de vozes sociais? A cidade pós-moderna exibe a diversidade social, étnica, política, evidenci- ando que as classes subalternas não mais “reconhecem seu lugar”, lugar este quelhe fora conferido pelo planejamento da cidade moderna, em sua organização ex-cludente e esterilizadora.
SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 100-106, 1º sem. 2004 Diz Viviane Forrester (1997), ao discorrer sobre essa sociedade que não é E como são cada vez menos vistos, como alguns os querem ainda mais apagados,riscados, escamoteados dessa sociedade, eles são chamados de excluídos. Mas, aocontrário, eles estão lá, apertados, encarcerados, incluídos até a medula! Eles sãoabsorvidos, devorados, relegados para sempre, deportados, repudiados, banidos,submissos e decaídos, mas tão incômodos: uns chatos! Jamais completamente,não, jamais suficientemente expulsos! Incluídos, demasiado incluídos, e em des-crédito. (p. 15) Na verdade, eles não são “menos vistos”, estão antes nas cidades, deixan- do-se ver nas ruas e nas praças. Mas ser visto não é suficiente. Como bem mostraEugène Enriquez (1974) ouvir é muito mais difícil do que ver, pois ao olhar cor-responderia a unidade, à voz a marca da divisão. Diz o autor: Pode-se igualmente compreender melhor a importância de ter sua própria voz,sua própria palavra (não ficar sem voz), porque falar é constituir os outros no seupróprio discurso, fazê-los existir como se deseja, e não escutar a voz dos outrosnaquilo que ela remete à divisão, ao espedaçamento, à nossa constituição pelosoutros. (p. 58) A fragmentação dos gêneros, sua mistura e hibridização, não poderiam ser vistas como uma alegoria, no sentido benjaminiano, a exibir o movimento socialexcludente? Como as casas de rua feitas das sobras de construções regulares, ostextos feitos de cacos de discursos, em um movimento de bricolagem, não reve-lariam uma engenharia social e política e sua engrenagem? Engenheiros que somos, treinados para construir discursos, podemos assu- mir também o lugar do bricoleur, ou, pelo menos, aprender com ele a consideraros restos, as sobras, percebendo-as e identificando seu papel nos discursos quelemos e/ou escrevemos? Não há uma engenharia sustentando os barracos nosmorros? Ela não é fruto de leituras diferentes das por nós preconizadas? Estariaa engenharia do texto literário mais próxima da bricolagem? Por isso mesmo, se-ria esse tipo de texto um espaço de interseção, a ampliar o domínio da recepção,de modo a superar fossos sociais? A mobilidade discursiva não substitui a mobilidade social, mas a indicia, registrando pontos fixos e reificados; é nesses nós que podemos atuar, textual esocialmente, buscando parceiros de escrita e de leitura.
Uma categoria que parece produtiva para lidar com nós, textuais e sociais, é a da enunciação, já que daria conta da cadeia de sujeitos e suas vozes. Assim, ainterseção entre lingüistas e teóricos da literatura poderia ser útil na formação deoutras interseções.
SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 100-106, 1º sem. 2004 A reflection on the practice of literary reading in today’s society,taking into consideration the question of textual genres. For thispurpose, the emphasis will be on the place/places of the text given asliterary in its relation with other types of texts, in the context of theprocess of exclusion and socio-political resistance.
Key words: Literary reading; Social place; Textual genres.
Referências
BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara F.
Vieira. São Paulo: Hucitec, 1981.
BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. Trad.
Aurora F. Bernadini et al. São Paulo: Unesp, 1993.
BATHIA, Vijav K. Análise de gêneros hoje. In: Revista de Letras, n. 23, v. 1/2, p. 102-
115, jan./dez. 2001.
BARTHES, Roland. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 1980.
BARTHES, Roland. O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense,
1988.
BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Trad. Sérgio Paulo Rouanet.
São Paulo: Brasiliense, 1984.
COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Trad. Cleo-
nice Mourão e Consuelo Santiago. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999.
ENRIQUEZ, Eugène. Imaginário social, recalcamento e repressão nas organizações. Tem-
po brasileiro
: A história e os discursos, Rio de Janeiro, n. 36-37, p. 53-94, jan./jun. 1974.
FORRESTER, Viviane. O horror econômico. Trad. Álvaro Lorencini. São Paulo: Edi-
tora da Unesp, 1997.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio.
São Paulo: Loyola, 1996.
LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de
Janeiro: Editora 34, 1993.
MACHADO, Arlindo. Hipermídia: o labirinto como metáfora. In: DOMINGUES,
Diana (Org.). A arte no século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Editora
da Unesp, 1997. p. 144-154.
RUFFATO, Luiz. eles eram muitos cavalos. São Paulo: Boitempo, 2001.
ROBIN, Régine. Extensão e incerteza da noção de literatura. In: ANGENOT, Mark et
al
. (Orgs.). Teoria literária: problemas e perspectivas. Trad. Ana Luísa Faria e Miguel
Serras Pereira. Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 59-65.
SANT’ANNA, Affonso R. Última geração letrada. Estado de Minas, Belo Horizonte,
p. 10, 4 de fev. 2001.
SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 100-106, 1º sem. 2004

Source: http://www.ich.pucminas.br/cespuc/Revistas_Scripta/Scripta14/Conteudo/N14_Parte01_art09.pdf

Submitted by:

Submitted by: Charles Bantz, Provost and Senior Vice President Academic Affairs JOSEPH F. YOUNG, SR. PSYCHIATRIC RESEARCH AND TRAINING PROGRAM PROPOSED BUDGET FISCAL YEAR 2003 It is recommended that the Board of Governors approve the proposed FY 2003 budget for theJoseph F. Young, Sr. Psychiatric Research and Training Program to be allocated to program Approved Proposed Progr

Microsoft word - reglamento a la ley no. 312 de derechos de autor y conexos.docx

Decreto No. 22-2000 PRESIDENCIA DE LA REPÚBLICA DE NICARAGUA El Presidente de la República de Nicaragua. En uso de sus facultades que le confiere la Constitución Política. HA DICTADO REGLAMENTO DE LA LEY DE DERECHOS DE AUTOR Y CONEXOS1 ARTO. 1.- Objeto. El presente Decreto tiene por objeto reglamentar las disposiciones de la Ley de Derechos de Autor y Derechos C

Copyright © 2010-2014 Medical Pdf Finder