Do you want to buy antibiotics online without prescription? http://buyantibiotics24h.com/ - This is pharmacy online for you!

Untitled

Aspectos Gerais nas Infecções por Helicobacter pylori
Revisão
General aspects of Helicobacter pylori infections - Review
Jullyana S. Siqueira1*, Pollyana S.S. Lima2, André S. Barreto3 & Lucindo J. Quintans-Júnior4 RESUMO - O Helicobacter pylori é uma bactéria de distribuição cosmopolita que acomete cerca de metade da população mundial.
Esse agente patológico está associado a vários distúrbios gástricos, entre eles a gastrite crônica, o câncer gástrico e a úlcera péptica.
Vários testes diagnósticos encontram-se disponíveis para o diagnóstico da infecção por H. pylori entre eles os testes da cadeia de po-
limerase (PCR), urease, histologia e cultura. Nesse contexto, o presente estudo objetivou mostrar os aspectos gerais nas infecções por
H. pylori e seu diagnóstico.
PALAVRAS-CHAVE - Helicobacter pylori, câncer gástrico, úlcera péptica, diagnóstico.
SUMMARY - Helicobacter pylori is a bacteria which is strongly associated with peptic ulcer and cancer gastric. The H. pylori infec-
tions can be diagnosed either by invasive techniques requiring endoscopy and biopsy (histologic examination, rapid urease test, cul-
ture, polymerase chain reaction) or by one of several noninvasive testing methods—serologic tests, the urea breath test, and the sto-
ol antigen test. In those circumstances, the scope of the review is to study the general aspects of H. pylori infection and diagnostic.
KEYWORDS - Helicobacter pylori, cancer gastric, peptic ulcer, diagnostic.

INTRODUÇÃO
et al., 2003). No Brasil é a mais freqüente neoplasia do sis-tema digestivo, ocupando o primeiro lugar na escala de OHelicobacter pylori foi isolado pela primeira vez, em ocorrência entre os homens e o quarto lugar entre as mu- 1983, por Warren e Marshall, na Austrália, (Prêmio lheres (ARRUDA et al., 1997).
Nobel de Medicina – 2005) a partir de fragmentos de bióp-sia gástrica de pacientes com gastrite crônica e úlcera pép- EPIDEMIOLOGIA
tica. Entretanto, data do século passado o encontro de bac-térias espiraladas no estômago de animais. Krienitz (1906) O H. pylori tem distribuição cosmopolita, e estima-se que foi o primeiro a observar “espiroquetas” no estômago hu- cerca de metade da população mundial esteja infectada. A prevalência da infecção varia com a idade e o nível socioe- O Helicobacter pylori é uma bactéria Gram negativa, micro- conômico. A soroprevalência aumenta progressivamente aerófila e espiralada (LEVINSON; JAWETZ, 1994), em for- com a idade (MITCHELL et al., 2003), e é igualmente encon- ma de S ou em bastonete curvo, que mede cerca de 3 a 5 µ trada em homens e mulheres (MCCALLION et al., 1995).
de comprimento por 0,5 µ de largura, tem parede celular ex- Países em desenvolvimento podem ocorrer taxas de soro- terna lisa e possui de quatro a seis flagelos unipolares em- positividade elevadas em faixas etárias mais jovens bainhados e com bulbo terminal (TONELLI; FREIRE, 2000).
(SHERMAN et al., 2002). No Brasil, um estudo em crianças É provavelmente o agente de infecção crônica mais comum e jovens até 18 anos, de famílias de baixa renda, evidenci- em seres humanos, coloniza especificamente a mucosa ou um percentual de 34% de soropositivos, que aumenta gástrica e as microvilosidades gástricas das células epiteli- significativamente com a idade (BEDOYA et al., 2003). Em ais e acredita-se que contribua diretamente na destruição países desenvolvidos, a infecção em crianças é menos fre- da célula gástrica por produção de uma citotoxina vacuoli- qüente. A prevalência da infecção é influenciada por fato- zante, bem como enzimas tóxicas, especialmente lipase, res como renda, nível de instrução e condições de moradia urease e proteases, desregulando os fatores defensivos do epitélio (OPLUSTIL et al., 2001).
O ser humano é o principal reservatório de H. pylori, não Embora metade da população mundial esteja infectada tendo ainda sido encontrados animais que sirvam de reser- com este organismo, 80% desses indivíduos permanecem vatórios significantes. A infecção não é autolimitada e po- sem nenhuma evidência clínica de doença (WISNIEWSKI; de persistir por muitos anos. Reservatórios ambientais tam- PEURA, 1997) e somente uma pequena percentagem (pro- bém podem existir. Águas contaminadas são fontes impor- vavelmente menos que 3%) dos indivíduos que apresen- tantes em determinadas áreas (GLYNN et al., 2002). A tam H. pylori desenvolvem neoplasias relatadas pela sua transmissão interpessoal é, entretanto, considerada a mais presença, indicando que outros fatores estão envolvidos importante, conforme evidenciado em estudos com famíli- (HANSSON, 1993; WATANABE, 1997), portanto, vários fa- as que moram em condições de aglomeração. Estudos uti- tores, inclusive a aquisição na infância, o tipo de cepa da lizando tipagem de DNA confirmaram que membros de bactéria, a predisposição genética do hospedeiro e o meio uma mesma família tendem a ser infectados pela mesma ambiente parecem estar relacionados a sua fisiopatogenia cepa de bactéria (ROMA-GIANNIKOU et al., 2003). A via pela qual ocorre a infecção pode ser fecal-oral ou oral-oral.
O câncer de estômago é considerado o segundo mais fre- É importante lembrar que a infecção pode ser transmitida qüente tipo de câncer e o segundo maior causador de mor- através de endoscópios se a desinfecção apropriada não for te por câncer no mundo (CORREIA, 1996; NEWNHAM Recebido em 23/01/2006Aprovado em 20/09/2006 1Farmacêutica-Bioquímica responsável técnica pela Farmácia Popular do Brasil no Município de Juazeiro-BA.
2Odontóloga pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).
3Fisioterapêuta, Professor Auxiliar, Faculdade Nobre de Feira de Santana (FAN) 4Farmacêutico, Professor Adjunto I, Colegiado de Medicina - Universidade Federal do Vale do São Francisco (CMED/UNIVASF) RBAC, vol. 39(1): 9-13, 2007
TRANSMISSÃO
da célula, facilitando para que os produtos tóxicos produzi-dos pela bactéria sejam liberados nas proximidades da cé- Várias pesquisas sobre o modo de transmissão de- H. pylo- lula epitelial e atuando na estimulação da produção de ci- ri estão sendo desenvolvidas, e pode-se dizer que esta é tocinas pela célula epitelial (MAHDAVI et al., 2002) uma das áreas mais estudadas, discutidas e controvertidasdesse, recém descoberto, microrganismo. As vias de in- fecção mais aceitas atualmente incluem a fecal-oral e a A bactéria tem uma potente atividade ureásica que partici- oral-oral (MARSCHALL, 2000). Não há possibilidade de pa da colonização gástrica, permitindo sua sobrevivência transmissão através do ato sexual comum, e a infecção por em um meio ácido. A urease hidrolisa a uréia, presente no insetos vetores é praticamente nula (ESLICK, 2001).
estômago, em amônia e CO2 (VOLAND et al., 2003). Aamônia tem atividade citotóxica, aumentando a permeabi- Transmissão Fecal-Oral
lidade da célula epitelial para prótons, e talvez participe Em 1992, foi publicado o primeiro trabalho sobre o isola- como mediador da resposta imune local, já que é potente mento de H. pylori em fezes humana. Nesse estudo, isolou- ativador de monócito in vitro (GOBERT et al., 2002).
se a bactéria em fezes de crianças e adultos infectados naGâmbia. Alguns anos mais tarde, esta foi isolada em fezes Fosfolipase
de indivíduos dispépticos (H. pylori - positivos). Entretan- As fosfolipases A2 e C afetam a integridade celular e a ca- to, outros trabalhos evidenciaram que H. pylori está bem mada hidrofóbica da barreira gástrica, podendo permitir a adaptado na passagem do estômago para o duodeno. Indi- retrodifusão de íons hidrogênio (MISIEWICZ, 1995).
cando que a bile possua um efeito letal para a bactéria, epor isso a sua sobrevivência após esta transição parece ser Citotoxina e Gene cagA
Todas as cepas são portadoras do gene vacA (gen da cito- Caso o microrganismo seja transmitido via fecal-oral, a toxina vacuolizante); entretanto, apenas algumas cepas água seria um provável meio de propagação. Em um estu- são produtoras da citotoxina vacuolizante, que exerce um do epidemiológico sobre o modo de transmissão de H. efeito citopático no epitélio. Estas cepas são mais comu- pylori em crianças peruanas, foi proposto uma associação mente isoladas de pacientes com ulcera péptica, atrofia entre a prevalência do microrganismo e a água potável gástrica e câncer gástrico (ARTHERTON et al., 1997).
Censini et al. (1996) afirma que o gene cagA (gene associ-ado à citotoxina) é um marcador da produção de citotoxina Transmissão Oral-Oral
e codifica a proteína cagA. Pacientes com úlcera duodenal, Segundo Artherton (1997), existem indícios de que o H. gastrite atrófica e carcinoma gástrico são mais comumente pylori possa permanecer ou transitar pela área bucal, na infectados com cepas cagA-positivas do que cagA- negati- placa dentária ou saliva. Além disso, sua presença no suco vas. As cepas cagA positivas são mais virulentas, associa- gástrico indica a possibilidade de transmissão oral-oral.
das a maior grau de infiltração de polimorfonucleares neu- Há evidencias de que o vômito e o refluxo esofágico pos- trófilos, produção de interleucina-8 e têm íntima asso- sam ser considerados como um meio de propagação do mi- crorganismo, uma vez que a bactéria já foi detectada nosuco gástrico de pacientes infectados. Desse modo, Resposta inflamatória da mucosa
propõe-se uma maior atenção à possível transmissão gas- Hunt et al. (1995) e Misiewicz (1995), relatam que a in- tro-oral, que ocorreria quando um indivíduo entrasse em fecção pelo H. pylori induz um infiltrado inflamatório na mucosa gástrica de neutrófilos, monócitos, linfócitos e plas- Em estudos sobre a investigação da transmissão de H. mócitos e a expressão de citocinas pró-inflamatórias como pylori, foram isoladas bactérias da placa dentária de paci- interleucinas (1,2,6 e 8), fator de necrose tumoral (alfa) e entes positivos ao microrganismo. Posteriormente, em um estudo com pacientes dispépticos da Índia, em cerca de Embora as respostas inflamatória e imune possam agravar 98% dos pacientes a presença dessa bactéria na placa den- as lesões degenerativas do epitélio, desencadeadas pela tária foi detectada (BUJANOVER et al., 1997).
bactéria, são incapazes de eliminá-la. Algumas cepas (ca-gA) parecem estar envolvidas na magnitude e característi- PATOGENIA
ca da produção de citocinas (IL-8), sendo portanto de im-portância no grau de inflamação gástrica crônica e no es- Os mecanismos pelos quais a bactéria produz diferentes pectro da doença. Mas, o mais provável, é que a intensida- quadros patológicos no estômago e no duodeno não são to- de e a forma das respostas inflamatória e imune, associa- talmente conhecidos. Presumivelmente, fatores da bacté- das à virulência da cepa, possam estabelecer doenças gas- ria, do hospedeiro e ambientais contribuem para estabele- cer evoluções clínicas diversas. Dentre os principais meca-nismos patogênicos envolvidos estão os fatores de virulên- Alterações da Secreção Ácida Gástrica
cia do microrganismo, a resposta inflamatória da mucosa e É de longa data o conhecimento da importância da se- a alteração da secreção ácida gástrica.
creção ácida na patogênese da úlcera péptica. Os pacien-tes com úlcera duodenal apresentam várias alterações na Fatores de Virulência
produção de ácido: prejuízo da inibição ácida na liberaçãoda gastrina, maior secreção de ácido basal e pós-estímulo Aderência
e maior acidez no duodeno (TONELLI; FREIRE, 2000).
O H. pylori tem um tropismo pela mucosa gástrica, aderin- Hoje já está bem estabelecido que a infecção pelo H. pylo- do à célula epitelial e, às vezes, penetrando entre elas. A ri é associada com a diminuição da liberação da somatos- adesão parece atuar na patogênese através da lesão direta tatina e aumento da liberação de gastrina pelo antro gás- RBAC, vol. 39(1): 9-13, 2007
trico. A somatostatina diminui a liberação de gastrina. Es- DIAGNÓSTICO
sas alterações são encontradas de forma similar nos indiví-duos infectados, com ou sem úlcera duodenal, e retornam Vários testes diagnósticos encontram-se disponíveis para o ao normal após a erradicação da bactéria. A menor libe- diagnóstico da infecção por H. pylori. Estes testes podem ração de somatostatina pode ser mediada pelo fator de ne- ser através de métodos invasivos ou não-invasivos. Os in- crose tumoral e pelas células mononucleares (HUNT et al., vasivos são aqueles que dependem da realização de en- doscopia para coleta de biópsias: cadeia de polimerase A infecção pelo H. pylori também se acompanha de maio- (PCR), teste da urease, histologia e cultura. Os não-invasi- res níveis de ácido no duodeno, decorrente da maior pro- vos incluem sorologia e teste respiratório com uréia marca- dução de ácido pelo estômago e menor produção de bicar- da com isótopos de carbono (14C e 13C) (CUTLER et al., bonato pelo duodeno que são revertidos com a erradi- 1998). A escolha do teste depende da situação clínica do cação. A maior produção de ácido predispõe a metaplasia paciente (TONELLI & FREIRE, 2000).
gástrica no duodeno. A hipótese é que a bactéria antes res-trita ao estômago colonizará também as áreas de metapla- Reação de Cadeia em Polimerase
sia gástrica no duodeno. Como resultado, ocorrerá duode- O PCR (Polymerase Chain Reaction) é outro método usado nite crônica que facilita a retrodifusão de íons hidrogênio, para a detecção do H. pylori. Este apresenta altíssima sen- e subseqüente ulceração (TONELLI; FREIRE, 2000).
sibilidade e especificidade, podendo ser feito diretamentedas biópsias gástrica ou duodenal, do suco gástrico, da pla- PATOLOGIA
ca dentária, da saliva, da cultura e até mesmo das fezes. Osgenes rRNA 16s rRNA, ureA e o glmM têm sido utilizados Segundo Vaira et al. (2000), a colonização do tecido gástri- na identificação da bactéria. Além disso, por sua alta sen- co pelo H. pylori é quase sempre acompanhada por uma sibilidade, o PCR é muito utilizado em estudos epidemioló- resposta inflamatória na mucosa subjacente.
gicos ligados à identificação de reservatórios ambientais, e A fase aguda da infecção não é comumente detectada na também em trabalhos de determinação do modo de trans- prática clínica. Nessa fase, após a contaminação pela bac- missão desta bactéria (LEHOURS et al., 2003).
téria, há um período de poucos dias, associados a um qua-dro histopatológico de denso infiltrado de polimorfonucle- Teste da Uréase
ares neutrófilos e um exsudato aderente à superfície epite- O teste da urease em fragmento de tecido é baseado na po- lial gástrica, de curta duração. Concomitantemente, ocorre tente atividade ureásica da bactéria. Ele é altamente espe- uma hipocloridria com retorno da secreção ácida gástrica cífico e sensível e é o teste mais usado para o diagnóstico endoscópico. Um fragmento de biópsia do antro ou um O infiltrado inflamatório agudo dá lugar à gastrite crônica fragmento do antro e outro do corpo gástrico são introduzi- superficial ativa, de leve a grave intensidade, com maior dos imediatamente após a coleta em um substrato conten- densidade de células inflamatórias no antro do que no corpo do uréia e um indicador de pH (vermelho fenol). A urease gástrico, e que se acompanha de alterações epiteliais. Como hidrolisa a uréia em amônia e dióxido de carbono, com a infecção habitualmente não é erradicada naturalmente pe- conseqüente aumento do pH e mudança da cor, do meio, lo hospedeiro, a manutenção da inflamação durante anos de amarelo para rosa. Quando a mudança de cor ocorre pode levar à progressão da gastrite crônica superficial do dentro das primeiras 24 horas, o teste é considerado positi- antro às porções mais proximais do estômago (corpo e fun- do), com conseqüentes gastrite atrófica e metaplasia intesti- Apesar das várias preparações disponíveis no mercado, o nal, em alguns indivíduos (KODAIRA et al, 2002).
teste de urease não tamponado tem mostrado acurácia As alterações histopatológicas da criança infectada são um comparável e custo cumulativo menor (CHU et al., 1997), pouco diversas daquelas do adulto. O infiltrado inflamatório sendo largamente utilizados na prática clínica, entretanto é geralmente mais leve e consiste, principalmente, de linfó- não fornece informações sobre a intensidade da infla- citos e células plasmáticas, com neutrófilos podendo estar mação. Devido à possibilidade de contaminação por bacté- ausente nas crianças de países desenvolvidos. Nas crianças rias produtoras de urease como Proteus sp e Pseudomonas de países em desenvolvimento, o infiltrado de polimorfonu- sp, levando a alterações na cor do teste durante a estoca- cleares neutrófilos é maior, mais de menor intensidade do gem, preconiza-se que a preparação contendo uréia e o que o dos adultos. Presença de atrofia glandular e metapla- marcador sensível de pH seja feita diariamente (NG, 1997).
sia intestinal é rara em pediatria (TONELLI; FREIRE, 2000).
Não há, necessariamente, um aspecto macroscópico da in- Histologia
fecção gástrica pelo H. pylori, e é comum uma dissociação Pereira et al. (2001) afirma que embora a técnica histológi- entre macro e microscopia, quando o estômago é endoscopi- ca não esteja livre de falhas, a especificidade e a sensibili- camente normal. Entretanto a criança infectada apresenta dade desta são altas. Além da identificação da bactéria, a freqüentemente um aspecto macroscópico micronodular no análise histopatológica permite avaliar o tipo e a intensida- antro gástrico, que é patognomônico da infecção pelo mi- crorganismo. Não se sabe ainda o seu significado e o porquê Este exame é feito após a endoscopia, com a retirada de da sua presença principalmente na criança, e mais freqüen- fragmento, no qual utiliza-se uma variedade de colorações temente nas com úlcera duodenal. Alguns autores a associ- para detectar a bactéria, sendo necessárias várias horas ou am a um maior número de folículos linfóides na lâmina pró- mesmo até 2 dias para se obter o resultado. O microrganis- pria, à semelhança da hiperplasia nodular linfóide benigna mo pode ser identificado por diversas colorações histológi- do intestino. Nós, entretanto, observamos uma associação cas, como Giemsa, hematoxicilina e eosina Warthin-Starry, entre a presença de folículos linfóides na mucosa gástrica e a infecção pelo H. pylori, independentemente da presença Este método pode apresentar falhas e inconveniências, ou não de antrite nodular (TONELLI; FREIRE, 2000).
tanto pela falta de visualização e identificação da área maisafetada, como por coletas feitas em locais inadequados, de- RBAC, vol. 39(1): 9-13, 2007
vido à distribuição desigual do organismo na mucosa gás- mais de 90% de sensibilidade e altamente específico. Pode ser usado em estudos epidemiológicos e é o teste de prefe-rência para o controle da erradicação da infecção, por não ser invasivo (GODOY; RIBEIRO, 2004).
Helicobacter pylori é uma bactéria muito adaptada ao seuhabitat e de crescimento lento, sendo assim é muito difícil TRATAMENTO
cultivá-la in vitro. O crescimento pode ser afetado por vári-os fatores como o número de biópsias, o meio, a duração e Ainda não existe um esquema terapêutico ideal. São vári- a temperatura do transporte e o próprio método de cultivo.
os os antimicrobianos já usados na infecção pelo H. pylori, Sua detecção pode ser influenciada também pelo uso pré- em várias associações e com tempos diversos de tratamen- vio de alguns medicamentos, usados por pacientes em tra- to. Parece necessário, para o sucesso terapêutico, a in- tamentos de dispepsia, como o omeprazol, alguns antimi- clusão de uma droga com secreção salivar e/ou gástrica crobianos, bismuto ou benzocaínas. É possível que resíduos (metronidazol e claritromicina) associada a drogas de ação de glutaraldeído, presentes na pinça de coleta de biópsia, luminal (bismuto, amoxicilina, tetraciclina, furazolidona).
possa afetar a viabilidade do microrganismo.
O percentual de cepas resistentes ao metronidazol e/ou A cultura é o método mais específico para identificação da claritromicina determinará a eficácia do tratamento bactéria e o único que determina a suscetibilidade aos an- timicrobianos (MALFERTHEINER et al., 2002). Podem ser Como a sensibilidade microbiana varia com a localidade, usados vários meios de cultura, e é necessária uma atmos- raça e uso prévio desses medicamentos, a eficácia de um fera microaerofilica (5-6 % de O2, 8-10% CO2, 80-85% N2).
esquema de tratamento em uma comunidade não permite a São poucos os centros no Brasil que trabalham com essa generalização dos resultados (GRAHAM, 1998). O ideal se- técnica diagnóstica, que é cara, requer um laboratório espe- ria basear o tratamento em estudos de sensibilidade ou, pe- cializado e é importante para o estudo de fatores de virulên- lo menos, no conhecimento prévio do índice de resistência cia e tipagem genética. Ela, na verdade, tem sido usada microbiana na comunidade, o que no momento é impossí- apenas no âmbito de pesquisa (TONELLI; FREIRE, 2000).
vel, na maioria dos centros brasileiros (HAN et al., 1999).
Terapia com uma única droga antimicrobiana é habitual- Sorologia
mente um insucesso, os esquemas antimicrobianos duplos Este exame se baseia na detecção de anticorpos específicos inicialmente testados em pediatria tinham a duração míni- [imunoglobulina G (IgG)] contra esta bactéria, encontradas ma de quatro semanas e incluíam a associação de bismuto em amostra de soro das pessoas infectadas. Geralmente com amoxicilina (ou ampicilina) ou amoxicilina com tinida- são realizados através da técnica de ELISA (Enzyme-Lin- zol (KIM et al., 2003). No meio hospitalar, onde há conside- ked Immunosorbent Assay) ou látex-aglutinação. Resulta- rável percentual de cepas resistentes a imidazólicos, é pro- dos falso-negativos podem ocorrer em crianças, idosos e vável que um esquema duplo que incluísse essas drogas, em indivíduos imunodeprimidos, que não desenvolvem não proporcionasse boa eficácia. Desde 1989, tem-se utili- reação imunológica contra a infecção (PORTORREAL; zado uma associação de amoxicilina (50 mg/kg/dia), me- tronidazol (20 a 30 mg/kg/dia) e furazolidona (6 a 8 Vários métodos sorológicos têm sido descritos na literatura mg/kg/dia), em três doses diárias, por sete dias, com erra- (KHANNA et al., 1998), no entanto, o método ELISA pare- dicação de 84% (LIND, 1999). Entretanto, o percentual de ce ser o mais sensível e específico em pacientes adultos de efeitos colaterais é significativo, mas na maioria dos paci- países desenvolvidos (PORTORREAL; KAWAKAMI, 2002).
entes não impede a continuidade da terapia (HARRIS; MI- A recomendação é de que o teste sorológico deve ser vali- SIEWICZ, 2001). Atualmente, vem sendo utilizado a asso- dado e padronizado localmente antes de seu uso (FELD- ciação de um inibidor da bomba protônica (omeprazol 20 MAN; EVANS, 1995). Por ser um exame não-invasivo, o mg, lansoprazol 30 mg, pantobrazol 40 mg, rabeprazol 20 teste sorológico tem sido utilizado em estudos epidemioló- mg) + amoxicilina 1000 mg + claritromicina 500 mg (SILVA gicos (BLEECKER et al., 1994), mas por ser infecção restri- et al., 2004). Nesse sentido, a adição do esquema tríplice de ta à mucosa, em alguns casos, a estimulação antigênica agentes anti-atividade secretora com um esquema quádru- pode ser lenta e resultados falso-negativos podem ocorrer plo é mais eficaz quando um inibidor da bomba protônica em poucas semanas ou meses após nova infecção é usado como um agente anti-atividade secretora, inclusi- ve, tendo melhor resposta que um antagonista do receptorH2 (KATE; ANANTHAKRISHNAN, 2001). Contudo, como Teste Respiratório com Uréia Marcada
a sensibilidade microbiana varia com a localidade, raça e O princípio do teste respiratório com uréia marcada é o uso prévio desses medicamentos, a eficácia de um esque- mesmo do teste da urease: produção pelo H. pylori de ma de tratamento em uma comunidade não permite a ge- grandes somas de urease. O paciente ingere uma solução neralização dos resultados (GRAHAM, 1998).
de uréia marcada 14C e 13C. Sob ação da urease de H. pylo- É importante frisar que o sucesso da erradicação de H. ri, a uréia é convertida em amônia e bicarbonato, o qual é pylori não depende apenas da susceptibilidade da linha- absorvido e convertido em CO2 nos pulmões (TONELLI; gem ao antimicrobiano utilizado na terapia, mas este é um dos principais fatores, tendo assim maiores taxas de cura O paciente então expira em um balão ou outro recipiente em pacientes infectados com linhagens sensíveis ao trata- próprio onde a presença do carbono marcado pode ser de- mento (LANG, 2002). Alguns estudos têm sugerido que a tectada por cintilação ou espectrografia. O 14C não pode ser taxa de erradicação deste microrganismo é menor em pa- usado em menores de 18 anos nem em mulheres grávidas, cientes com gastrite, comparando-se à pacientes com úlce- por ser radioativo. O 13C, não-radioativo é o teste ideal pa- ra. Desse modo, os fatores de virulência poderiam influen- ra o diagnóstico da infecção em pediatria. É um teste com ciar na falência terapêutica (KIM et al., 2003).
RBAC, vol. 39(1): 9-13, 2007
COMENTÁRIOS FINAIS
gastric adenocarcinoma. Gastroenterology. 105: 1098-1103, 1993.
HARRIS A, MISIEWICZ JJ. Management of Helicobacter pylori infection. Brit Med Desde a introdução da Helicobacter pylori a comunidade HUNT RH, MALFERTHEINER P, YEOMANS ND et al. Critical issues in the pa- thophysiology and management of peptic ulcer disease. Eur J Gastroenterol científica por Marshall e Warren, a mais de duas décadas atrás, esse patógeno tem sido um importante foco em pes- KAPADIA, CR. Host factors in Helicobacter infection. Gastroenterology, 113 quisas básicas na área bioquímica e da clínica. Apesar das KATE V, ANANTHAKRISHNAN N. Treatment of helicobacter pylori infection- a re- inúmeras descobertas na última década acerca das in- view. Indian Journal of Pharmacology. 33: 410-416, 2001.
fecções causadas pelo H. pylori muitos paradigmas sobre o KHANNA B, CUTLER A, ISRAEL NE, PERRY M, LASTOVICA A, FIELDS PI, GOLD BD. Use caution with serologic testing for Helicobacter pylori infection in chil- diagnóstico e o ideal protocolo de tratamento continuam dren. J Infect Dis. 178: 460-5, 1998.
KIM JJ, KIM JG, KWON DH. Mixed-infection of antibiotic susceptible and resis- tant Helicobacter pylori isolated in a single patient and underestimation of an- Os critérios histopatológicos são extremamente importan- timicrobial susceptibility testing. Helicobacter 8: 202-6, 2003.
tes para definir e dar suporte ao diagnóstico e prognóstico.
KODAIRA MS, ESCOBAR SMU, GRISI S. Aspectos epidemiológicos do Helicobac- Nesse sentido, os avanços na área molecular abrem a pos- ter pylori na infância e adolescência. Revista Saúde Pública. 36(3):356-69, 2002.
LEHOURS P, RUSKONE-FOURMESTRAUX A, LAVERGNE A, CANTET A, MÉ- sibilidade de utilização de marcadores genéticos que, so- GRAUD F. Which test to use to detect Helicobacter pylori infection in patients mados aos dados histopatológicos e imunohistoquímicos with low-grade gastric mucosa-associated lymphoid tissue lymphoma? Am JGastroenterol. 98: 291-5, 2003.
podem levar a diagnósticos e prognósticos mais seguros.
LEVINSON WE, JAWETZ E. Pathogenesis. In: Levinson WE, Jawetz E, editors.
Trabalhos recentes têm se preocupado em traçar um mapa Medical microbiology and immunology. 3. ed. East Norwalk: Appleton & Lan-ge; p. 23-33, 1994. do genoma dessa bactéria visando a produção de vacinas LIND T, MÉGRAUD F, UNGE P, BAYERDÖRFER E,O´MORAIN C,SPILLER R et al.
seletivas e de grande espectro em sua eficácia. Por outro The MACH 2 study: role of omeprazole in eradication of Helicobacter pylori lado, algumas cepas do H. pylori têm se mostrado resisten- with 1-week triple therapies. Gastroenterology. 116: 248-253, 1999.
MAHDAVI J, SONDEN B, HURTIG M, et al. Helico-bacter pylori SabA adhesin in tes aos tratamentos tradicionais tanto nos esquemas trípli- persistent infection and chronic inflammation. Science 297:573–8, 2002.
ces quanto quádruplos, o que é de relevante importância MALFERTHEINER P, MÉGRAUD F, O’MORAIN C, et al. and the European Helico- bacter pylori Study Group (EHPSG). Current concepts in the man-agement of em pacientes imunossuprimidos, pacientes HIV positivo e Helicobacter pylori infection – the Maastricht 2–2000 consensus report. Ali- câncer gástrico em estágio patológico avançado.
ment Pharmacol Ther. 16: 167-80, 2002.
Na verdade, uma melhor compreensão dos aspectos gerais MARSHALL BJ, WARREN JR. unidentified curved bacilli on gastric epithelium in active chronic gastritis [Letter]. Lancet 1:1273-5, 1983.
das infecções por H. pylori continua sendo o melhor alicer- MARSCHALL, B.J. Helicobacter pylori in the year 2000. Helicobacter pylori Foun- ce na construção de um diagnóstico preciso e de tratamen- MCCALLION WA, ARDILL JES, BAMFORD KB, POTTS SR, BOSTON VE. Age de- pendent hypergastrinaemia in children with Helicobacter pylori gastritis - evi-dence of early acquisition of infection. Gut. 37:35-38, 1995.
MÉGRAUD F, LEHN N, LIND T, BAYERDÖRFFER E,O’MORAIN C,SPILLER R et al.
REFERÊNCIAS
Antimicrobial susceptibility testing of Helicobacter pylori in a large multicentertrial: the MACH 2 study. Antimicrob Agents Chemother. 43:2747-2752, 1999.
ARRUDA SMB, JUCÁ NT, OLIVEIRA EP, MACEDO FM, ALBUQUERQUE MC, PE- MISIEWICZ JJ. Current insights in the pathogenesis of Helicobacter pylori infec- REIRA MG. Perfil do câncer gástrico no Hospital das Clínicas da Universidade tion. Eur J. Gastroenterol Hepatol. 7: 701-3, 1995.
Federal dePernambuco. GED Gastroenterol Endosc Dig . 16: 14-18, 1997.
MITCHELL A, SILVA TM, BARRETT LJ, LIMA AA, GUERRANT RL. Age-specific ARTHERTON JC. The clinical relevance of strain types of Helicobacter pylori. Gut, Helicobacter pylori seropositivity rates of children in an impover-ished urban area of northeast Brazil. Clin Microbiol. 4: 1326-8, 2003.
BEDOYA A, GARAY J, SANZON F, et al. Histopathology of gastritis in Helicobac- NEWNHAM A, QUINN MJ, BABB P, KANG JY, MAJEED A. Trends in the subside ter pylori infected children from populations at high and low gastric cancer risk.
and morphology of esophageal and gastric cancer in England and Wales 1971–98. Aliment Pharmacol Ther. 17:665-76, 2003.
BLEECKER U, LANCIERS S, KEPPENS E, VANDENPLAS Y. Evolution of Helico- NG FH, WONG SY, NG WF. Storage temperature of the unbuffered rapid urease bacter pylori positivity in infants born from positive mothers. J Pediatric Gas- test. Am J Gastroenterol. 92: 2230, 1997.
OPLUSTIL CP, ZOCCOLI CM, TOBOUTI NR, SINTO SI. Procedimentos Básicos BROWN LM. Helicobacter pylori: epidemiology and routes of transmission. Epi- em Microbiologia Clínica. São Paulo: Sarvier, 136p., 2001.
ORNELLAS LC, CURY M DE S, LIMA VM DE, FERRARI JR AP. Avaliação do teste rá- BUJANOVER, Y. et al. Helicobacter pylori e doença péptica no paciente pediátri- pido da urease conservado em geladeira. Arq Gastroenterol. 37:1555-157, 2000.
co. Clin. Ped. Am. Norte, 7: 215-35, 1997.
PORTORREAL A, KAWAKAMI E. Avaliação do método imunoenzimático (ELISA) CENSINI S, LANGE C, XIANGZY et al. CagA pathogenicity island of Helicobacter para diagnóstico da infecção por Helicobacter pylori em crianças e adolescen- pylori encodes type I-specific and disease-associated virulence factors. Proc tes. Arq Gastroenterol. 39: 198-203, 2002.
Natl Acad Sci USA. 93: 14.648-53, 1996.
ROCHA, AFG. Helicobacter pylori – Diagnóstico pelo teste Respiratório. A C.
CHU KM, POON R, TUEN HH, LAW SYK, BRANICKI FJ, WONG J. A prospective comparison of locally made rapid urease test and histology for the diagnosis of ROMA-GIANNIKOU E, KARAMERIS A, BALATSOS B, ET AL. Intrafamilial spread Helicobacter pylori infection. Gastrointest Endosc. 46: 503, 1997.
of Helicobacter pylori: a genetic analysis. Helicobacter 8: 15-20,2003.
CORREIA, P. Helicobacter pylori and gastric cancer: state of the art. Cancer Epi- SHERMAN P, CZINN S, DRUMM B, et al. Helicobacter pylori infection in children demiol. Biomarkers Prev. 5, 477–481, 1996.
and adolescents: Working Group Report of the First World Congress of Pedi- CUTLER AF, PRASAD VM, SANTOGADE P. Four-year trends in Helicobacter pylo- atric Gastroenterology, Hepatology, and Nutrition. J Pediatr Gastroenterol Nutr ri IgG serology following successful eradication. Am J Med. 105: 18-20, 1998.
ESLICK, G. Sexual transmission of Helicobacter pylori via oral-anal intercourse.
SILVA LBL, GONÇALVES TM, ALENCAR JS, NUNES OS, VASCONCELLOS ACA, SANTANA. Atenção farmacêutica a pacientes com gastrite Helicobacter pylo- FELDMAN RA, EVANS SJW. Accuracy of diagnostic methods used for epidemio- ri positivo. Infarma. 16(7/8): 70-73,2004.
logical studies of Helicobacter pylori. Aliment Pharmacol Ther. 9:21, 1995.
TONELLI E, FREIRE LMS, Doenças Infecciosas na Infância e Adolescência. São GLYNN MK, FRIEDMAN CR, GOLD BD, et al. Soroincidence of Helicobacter pylo- ri infection ina cohort of rural Bolivian children: acquisition and analysis of pos- VAIRA D, HOLTON J, RICCI C, et al. Review article: Helicobacter pylori infection sible risk factors. Clin Infect Dis 35: 1059-65, 2002.
from pathogenesis to treatment--a critical reappraisal. Aliment Pharmacol Ther.
GRAHAM DY. Antibiotic resistance in Helicobacter pylori: implication for therapy.
Gastroenterology. 115: 1272-7, 1998.
VOLAND P, WEEKS DL, MARCUS EA, PRINZ C, SACHS G, SCOTT D. Interacti- GOBERT AP, MERSEY BD, CHENG Y, BLUMBERG DR, NEWTON JC, WILSON ons among the seven Helicobacter pylori proteins encoded by the urease ge- KT. Cutting edge: urease release by Helicobacter pylori stimulates macro-pha- ne cluster. Am J Physiol Gastrointest Liver Physiol. 284:G96–106, 2003.
ge inducible nitric oxide synthase. J Immunol. 168: 6002-6, 2002.
WATANABE, Y. et al. Helicobacter pylori infection and gastric cancer. A nested GODOY, A.P.O.; RIBEIRO, M.L. Disponível em http://www.helicobacter.com.br.
case-control study in a rural area of Japan. Dig. Dis. Sci. 42: 1383–1387, 1997 WISNIEWSKI RM, PEURA DA. Helicobacter pylori: beyond peptic ulcer disease.
GONZAGA VAZ COELHO L, LEÓN-BARÚA R, QUIGLEY EMM and representati- ves of the Latin-American National Gastroenterological Societies affiliated withthe Inter-American Association of Gastroenterology (AI-GE). Latin-American __________________________________________ Consensus Conference on Helicobacter pylori infection. Am J Gastroenterol.
95: 2688-2691, 2000.
HAN SR, BHAKDI S, MAEURER MJ, SCHNEIDER T, GEHRING S. Stable and uns- table amoxicillin resistance in Helicobacter pylori: should antibiotic resistance testing be performed prior to erradication therapy? J Clin Microbiol. 37: 2740- HANSSON, L. E. et al. Helicobacter pylori infection: independent risk indicator of Telefones: (87) 3861-6720/9243-4356/(74)3611-5220 RBAC, vol. 39(1): 9-13, 2007

Source: http://artigocientifico.uol.com.br/uploads/artc_1187461455_36.pdf

Doi:10.1016/s0956-5221(02)00006-4

Management S C A N D I N A V I A N J O U R N A L O F RolfA. Lundina,*, Run !olfur S. Steinth !orssonba International Business School, J .onk.oping University, SE-551 11 J.onk.oping, Swedenb Faculty of Economics and Business Administration, University of Iceland, IS-101 Reykjav!ık, IcelandReceived 1 November 1999; received in revised form 1 February 2001This article reflects upon the

Copyright © 2010-2014 Medical Pdf Finder